20 de dezembro de 2009





Toma – é para ti
esta primeira rosa

Tem o nome tranquilo
das coisas que ninguém chama

Dorme de olhos leves e é talvez
O vulto mais puro da ternura

Morre, depois, de ser tão plena
e cai, no último instante, para dentro
de todos os dias que a guardaram.

Vítor Matos e Sá


1 comentário:

εϊз disse...

texto legal =)

passa la no meu
http://nemseiumaurl.blogspot.com/