24 de novembro de 2005


António Gedeão (1906-1997)

Poema do poste com flores amarelas


Vieram os operários, puseram o poste de ferro na berma do passeio
e foram-se para voltar noutro dia.
O poste tinha sido pintado há pouco de verde
e quando lhe batia o sol rutilava como as escamas dos dragões.
Mesmo junto do poste, no passeio, havia uma árvore que dava flores amarelas,
e o vento fez cair algumas flores amarelas sobre o poste verde.
As pessoas que por ali passavam diziam "que chatice de poste",
mas o poeta sorria para as flores amarelas.

António Gedeão

.

1 comentário:

MT disse...

Nada como um poeta para recentrar a realidade na beleza...