4 de setembro de 2007


José Luís Peixoto (1974)





não me arrependo das horas que perdi a esperar-te
quando ainda havia a esperança, a esperança que
havia ainda quando, a esperar-te, perdi horas de que
não me arrependo.


um instante na memória de chegares é mais valioso
do que jardins, do que montanhas, do que anos de
tempo.

arrependo-me de ficar ao sol, de sorrir, de esquecer
que devagar passam os dias. os dias passam devagar,
esquecendo-se de sorrir ao sol e de ficar onde me
arrependo.


José Luís Peixoto

2 comentários:

Cymbron disse...

Só te arrependes do que fazes. Eu nunca me arrependi do que não fiz... do que já fiz arrependo-me pouco. A consequência do arrependimento é a sabedoria... e ela vale sempre a pena.

Jinho

Jasmim disse...

Olá
Só nos devemos arrepender do que naõ fazemos. O resto faz de nós pessoas mais experientes e, esperamos, melhores pessoas.
fica bem
jasmimdomeuquintal