25 de janeiro de 2008


Virginia Woolf (1882-1941)



I feel certain that I am going mad again. I feel we can't go through another of those terrible times. And I shan't recover this time. I begin to hear voices, and I can't concentrate. So I am doing what seems the best thing to do. You have given me the greatest possible happiness. You have been in every way all that anyone could be. I don't think two people could have been happier till this terrible disease came. I can't fight any longer. I know that I am spoiling your life, that without me you could work. And you will I know. You see I can't even write this properly. I can't read. What I want to say is I owe all the happiness of my life to you. You have been entirely patient with me and incredibly good. I want to say that - everybody knows it. If anybody could have saved me it would have been you. Everything has gone from me but the certainty of your goodness. I can't go on spoiling your life any longer.
Virginia Woolf, carta a Leonard Woolf

6 comentários:

nuno disse...

que é feito de ti...?

Cymbron disse...

Eu adoro a escrita dessa mulher, assim como ainda recordo essas mesmas palavras lidas no filme "As Horas"...quer dizer, talvez te recordes que eu fui ver o filme 3 vezes ao cinema - que foi coisa inédita para quem não gasta dinheiro assim sem sentido como eu.
O outro dia estive a matar saudades das paredes, agora de um amarelo mais vivo, e da árvore no pátio, que já nem é mais a mesma. Já não consigo lembrar como antes...
Jinho

Graça disse...

Bem, Nuno, eu tenho aparecido, pouco, é certo, mas não tenho tempo para mais...

Sim, Vera, tenho ideia de o filme te ter impressionado. Por momentos, pus-me a pensar se haveria algum pátio no filme, ou paredes amarelas, mas percebi que falavas de outras horas. As paredes estavam pintadas de branco e cinzento antes, não? Apesar das mudanças, a maioria das coisas continua intacta. Se prestares atenção,ainda se ouve os vossos risos - mesmo antes do toque de entrada. E há imensas pessoas com quem esbarro sem querer nos intervalos...
Beijinho!

Cymbron disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cymbron disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cymbron disse...

Espero que continues a esbarrar, mesmo que sem querer, porque eu esbarro por vontade só para sentir as "horas" que também foram tuas...
Há horas, como esta em que eu sinto-me tão pequenina, de volta ao passado, onde me dou ao "luxo" de pensar no teu nome na pertença que mais recordo...recordo-me pouco da minha mãe e há coincidências sublimes de nome e de amor.