10 de abril de 2008


Sebastião da Gama (1924-1952)


Inscrição

Nada sabe do Mar

quem não morreu no Mar.
Calem-se os poetas
e digam só metade
os que andam sobre as ondas
suspensos por um fio.

Sabe tudo do Mar
quem no Mar perdeu tudo.
Mas dorme lá no fundo,
tem os lábios selados,
e os olhos, reflectem
e claramente explicam
os mistérios do Mar,
para sempre fechados.


Sebastião da Gama

3 comentários:

Cymbron disse...

Na minha fraca inspiração, deduzo desse poema, na minha humilde perspicacia, que de facto só pode falar quem já viveu.
Ou estarei, claro, como na maior parte das vezes, a divagar nas minhas "cenas".
Jinho

mitro disse...

Amo o mar!

Anónimo disse...

Boas ando a investigar acerca do Exmo. Sebastião António Peixoto da Gama, 1.o Visconde da Gama e gostaria de saber se esta imagem e/ou poema tem alguma correlação com o Visconde?
Obrigada
i_inesmartins@hotmail.com