23 de novembro de 2006


Herberto Helder (1930)

Muitas canções começam no fim, em cidades
estranhas. Sei
que a felicidade dos meses é ao meio e a força
de um homem é ao meio
da vida pura. Mas são muitas
as canções que começam no fim.
É no fim que secamente falam do ardor
ao meio
da cidade e da existência que se volta
para si, de rosto — tremente
e verde de sua ilusão. Canções cada vez
mais no seu fim, tão secas voltadas
imenso para trás. Para onde
é todo o poder. Conheço
horríveis canções cor de coisas transtornadas.
Canções ainda repletas de peixes, flechas, dedos
agudos abertos em torno do sexo.
Começam no fim do seu pensamento.
São para morrer na véspera, com um lento
pavor no coração e o povo
atónito por todos os lados. Porque o povo
não sabe que um homem morre antes da sua
última canção.


Herberto Helder

.

2 comentários:

[N] disse...

obrigado, Graça, por isto. Ele diz tudo.

Graça disse...

Obrigada pelo comentário, Nuno. Herberto é, de facto, tão denso e simbólico que é mesmo capaz de, nos seus poemas, dizer tudo.Pelo menos, é possível ler(quase) tudo...