18 de março de 2006





BUT NOT FOR ME (BILLIE HOLIDAY)

Desistir do rosto, dos propósitos, das
palavras. Há sílabas assim.
Com a vergonha do afecto
emprestada ao desalinho das mesas.

Por ali, encenando a imobilidade,
a rudeza de haver dor.
Eu sei que não virás.
Bebo por ti, sem ti, contra ti,
com o coração no bengaleiro
a fingir que não, não faz diferença.

E o pior é que até faz,
por muito que ninguém o saiba.

Manuel de Freitas

.

4 comentários:

Vera Cymbron disse...

Atrevo-me a comentar com as palavras cantadas pela Diva...

They're writing songs of love, but not for me.
A lucky star's above, but not for me.
With love to lead the way
I've found more clouds of grey
than any Russain play could guarantee.
I was a fool to fall and get that way;
Heigh-ho! Alas! And also, lack-a-day!
Although I can't dismiss the mem'ry of his kiss, I guess he's not for me.

He's knocking on a door, but not for me.
He'll plan a two by four, but not for me.
I know that love's a game;
I'm puzzled, just the same,
was I the moth or flame?
I'm all at sea.
It all began so well, but what an end!
This is the time a feller needs a friend,
when ev'ry happy plot ends with the marriage knot,
and there's no knot for me.

O bom gosto não se comenta.
E eu sei, se sei...faz sempre diferença!

Graça disse...

Muito obrigada pela letra, até costumo trautear a Billie, mas é mais "na na na na na na na na na na na na na na..."- por pura preguiça (também dava um belo nome para um blog).

Julgava que eras mais Ella...

Como diria um amigo meu, até jazz!

Silvia Chueire disse...

Ah como eu gosto desta canção...
E o poema é fantástico! A acompanha muito bem.

Graça disse...

Obrigada pela visita e pelas palavras, Eugênia, foi uma feliz coincidência recebê-la no Dia Mundial da Poesia...