28 de setembro de 2004

Se soubesse que a vida traz o vento da raiva contida,
a luz das madrugadas sem sol,
ou que o inferno arde na morte lenta dos dias sem horas,
se soubesse que música se ouve nas lembranças do que nunca aconteceu,
na tarde que arrefece devagar, sem sabermos,
teria tentado ouvir as frases em branco,
a melodia de inverno dos olhos que não brilham,
teria embarcado nos abraços sem corpo de tantas palavras.

2 comentários:

Vera Cymbron disse...

FANTÁSTICO! Sempre vou tendo tempo para passar por aqui e deleitar-me com o que escreves. Jinho

Mito disse...

Se soubesse que a menina escrevia assim, já teria há muito tempo reclamado a publicação de um livro. Ou será queele já existe e estou privado dessa preciosidade?