14 de março de 2005


Francisco José Viegas (1962)


REGRESSO POR OUTRO RIO

se regressar, será aos teus olhos que regresso.
os acasos ardem nos lábios dos amieiros que na margem do rio
aguardam que regresse. a isso regresso, buscando
coincidências e nomes, razões. afasto-me
provavelmente de ti, embora secretamente.

é por isso estranha a forma como os acasos ardem
para sempre. a outro rio e sob outras sombras
regresso, devagar para não ferir o que antes amei
e por quem morri muitas vezes. agora de novo morro

e por outro rio regresso até ao lugar onde elas, as aves,
nascem para não desaparecerem. e isso é como permanecer.

Francisco José Viegas

.

1 comentário:

Pele disse...

Tenho problemas com regressos. Sinto-me sempre a partir. Gostava tanto de experimentar voltar. Tenho tanta vontade de regressar.
Deixou-me nostalgica...
Fique bem.